Kombi, a velhinha que vai longe

A velha e boa Kombi, veículo emblemático da Volkswagen, está de volta. Que ela jamais morreria em nossas lembranças é fato, mas imaginar que depois de ter a produção interrompida ela poderia voltar, apenas os amantes da Kombi apostariam nessa ideia.

Carros
2 anos atrás
Kombi, a velhinha que vai longe

Aqueles que jamais abandonaram a paixão por ela são os que podem vibrar com a notícia de que a boa e velha Kombi vai reaparecer no mercado moderna, atualizada, reestilizada, e principalmente atendendo todas as exigências da lei, além de carregar tecnologia de ponta.

O emblemático veículo de passageiros e carga batizado por Kombi, tem seu nome abreviado de “Kombination fahzeug”, pois a tradução literal do Alemão significa “veículo combinado”, isso equivale a dizer que a expressão “combinado” pode-se facilmente ser substituída por “multiuso”, sem comprometer seu verdadeiro significado. Logo, Kombi é sinônimo de veículo multiuso.

A emoção, nunca sentida antes, de dirigir um veículo robusto e poderoso voltou para alegrar aqueles que demonstram verdadeiro apego pelo carro da Volkswagen que foi criado há décadas, cumpriu com os objetivos de sua concepção ao levar pessoas para o passeio, pequenas ou grandes viagens, transportar famílias inteiras de uma só vez, bem como para levar e buscar trabalhadores às indústrias.

Útil também para o auxílio no trabalho de feirantes, foram espetaculares como ambulâncias, como vans escolares, como carro de pastel, frigoríficos, entre muitas outras atividades, inclusive servindo ao patrulhamento da Polícia Militar.

Saudosismo à parte, a nova versão van da Kombi, exibe entradas de ar que tomam todo o para-choque, grade frontal com frisos finos e metálicos, faróis retangulares com luzes diurnas e spoiler traseiro.

Segurança à toda prova, por dentro oferece console com monitor de 6 polegadas e piso com trilhos que facilitam a remoção dos bancos em couro.

Tecnologia de ponta, a evolução também poderá ser sentida nas seis opções de motores. São propulsores de 2 litros (aspirado e turbo) movidos a gasolina ou diesel, que rendem de 84 a 204 cv. Todos equipados com o sistema Start/Stop, que desliga e aciona o motor automaticamente nas paradas em cruzamento, semáforo ou congestionamento.

Apresentada e tendo a produção confirmada no Salão de Detroit em 2017, o conceito I. D Buzz tem capacidade para levar até oito pessoas, em assentos com várias opções de ajustes. A carroceria de estilo retrô tem pintura em dois tons e o enorme logotipo ‘VW’ na dianteira foi combinado a tecnologias atuais, por exemplo, como as luzes de LED. Ainda em termos futuristas, o sistema de direção é autônomo. A velocidade máxima alcança significativos 160 km por hora. Está tudo programado para que o lançamento no Brasil ocorra no ano de 2022.

O interessante é que mesmo com toda a tecnologia que receberá, bem como itens obrigatórios para voltar a ser comercializada, o estilho se mantem parecido e deve conquistar muitos fãs, mesmo os que são apaixonados pelo antigo modelo.

A Kombi no Brasil

O início da produção da VW Kombi no Brasil se deu em 1953, sendo a terceira fábrica da montadora alemã a produzir o utilitário em todo o mundo. Não para menos, as primeira unidades tão logo saíram do forno conquistaram o público brasileiro.

Em um primeiro momento, tanto a Kombi, como o Fusca que também começou a ser produzido em solo nacional, ainda recebiam peças importadas da Alemanha. Porém, em setembro de 1957, a perua se tornou, mesmo antes do Fusca, o primeiro carro produzido no país pela fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo. Foi então que teve início a história de maior longevidade da indústria automobilística mundial.

Desde o início de sua produção, mais de 1,5 milhão de unidades foram produzidas. Segundo a Volkswagen do Brasil, um dos pontos fortes da comercialização da Kombi foi sua fácil adaptação para os mais diversos tipos de uso: além de ter presença assídua em feiras e canteiros de obra, a perua Kombi também foi usada como veículo de lazer, biblioteca circulante, carro funerário, lanchonete etc. No entanto, a versão mais lembrada, com certeza é van escolar.

Em seus mais de 60 anos de vida, a Kombi passou por diversas modernizações. Em 1992, tornou-se o primeiro utilitário nacional equipado com catalisadores. Em 1997, chegou ao mercado com teto mais alto, porta lateral corrediça e sem parede divisória atrás do banco dianteiro. Além das versões com janelas de vidro ou furgão, a perua também foi fabricada como pick-up, com cabine simples ou cabine dupla.

Em 2005, o carro da Volks se tornou mais flexível, recebendo um motor capaz de rodar com gasolina, etanol ou com a mistura dos dois. Além disso, com resfriamento a líquido, o motor se tornou até 34% mais potente e cerca de 30% mais econômico do que o antecessor, refrigerado a ar, mais comum entre os modelos mais antigos.

Mesmo pioneira no tamanho e no que oferecia por atender vários segmentos, a Kombi acabou ficando ultrapassada frente às vans e minivans que surgiram ao longo do tempo. Esse fato fez com que a Volkswagen anunciasse o fim de sua fabricação no Brasil, em 2014, deixando muitos amantes do carro tristes e desesperados, afinal esse veículo fez parte da vida de muitas pessoas. Afinal, qual dentre os quarentões, cinquentões etc que nunca experimentaram a deliciosa sensação de se equilibrar em pé dentro da Kombi enquanto era dirigida por um tio ou pelo pai?

Naquela época não era obrigatório usar cinto de segurança e por esse motivo as crianças vinham disputando entre si quem conseguia ficar mais tempo sem por as mãos nas laterais para se reequilibrar. É certo que alguns tombos eram inevitáveis, mas nada que um simples band-aid não fosse capaz de resolver.

Para marcar o encerramento da produção de um dos modelos de maior sucesso da marca no Brasil, a VW ainda lançou em agosto de 2013 a Kombi Last Edition, com produção limitada a 1.200 unidades, vendidas na época a 85 mil reais cada. A edição trouxe itens exclusivos, como a pintura azul e branca, tipo “saia e blusa”, e elementos que remetem às inúmeras versões do veículo fabricadas no país.

Mesmo a esse valor, teve quem comprou de olhos fechados o veículo muito mais por paixão do que pela necessidade.

Dia Nacional da Kombi

Em 2017, a Kombi brasileira completou 60 anos de fabricação. O primeiro modelo produzido pela Volkswagen no país saiu da linha de montagem em 2 de setembro de 1957. Por essa razão, essa data foi batizada como o Dia Nacional da Kombi.

Mesmo fora de produção, a perua continua rodando pelas ruas do Brasil. Em São Paulo, segundo o Detran, Departamento Estadual de Trânsito, existem quase 387mil Kombis registradas só no Estado.

Pelo País, vários encontros e eventos são realizados em 2 de setembro para celebrar a data. Em São Paulo, proprietários e amantes da Kombi costumam se reunir com o público presente. No evento pode aparecer quem quiser para assistir vários modelos da “Velha Senhora”, muitos proprietários permitem tirar fotos e até tocar nos veículos (com cuidado, é claro). Desde 2014, com autorização da Volkswagen, essa data é comemorada pelos admiradores do veículo.

Sucesso com edições especiais

A Kombi fez tanto sucesso no Brasil e no mundo que algumas edições especiais foram lançadas ao longo dos 60 anos de produção.

Confira os quatro modelos que mais chamaram a atenção nas ruas e que foram capazes de aproximar os amantes da “Velha Senhora”:

Carat (1996): Versão de luxo, com teto alto, porta lateral e janelas de correr. Capacidade para 7 passageiros. Interior luxuoso com tecido diferenciado.

Série Prata (2006): Edição comemorativa ao fim do motor refrigerado a ar na Kombi. Produção limitada de 200 unidades.

Edição 50 anos (2007): Edição comemorativa aos 50 anos da Kombi. Produção limitada de 50 unidades.

Last Edition (2013): Edição comemorativa ao fim da fabricação da Kombi. Produção limitada inicial de 600 unidades, que mais tarde foi aumentada para 1.200 unidades.

A Kombi e suas utilidades

Customizada ou original, a Kombi marcou e marca época por poder ser utilizada de várias formas e para diversas atividades profissionais e pessoais.

Até os dias de hoje, de todos os automóveis já inventados, a Kombi foi o mais perfeito para se transformar, através de intervenção criativa, numa obra de arte ambulante e funcional. Além de ser um veículo quase totalmente customizável, possui uma estrutura robusta e fácil manutenção.

Veículo totalmente versátil, pois pode facilmente se tornar uma lanchonete ou oficina de chaveiro, a Kombi deixou de ser apenas um automóvel e adquiriu diversas utilidades. Mas, de todas as possíveis aplicações da Kombi como veículo, a mais criativa foi registrada pela primeira vez lá nos tempos dos festivais de Woodstock, quando foi totalmente personalizada por meio de pintura hippie e servia para transporte de artistas, bandas e instrumentos musicais.

Com certeza eram muito chamativas. Mas tarde o modelo de customização foi copiado quase no mundo inteiro. Alguns fizeram cópias por amor a arte outros, no entanto, as fizeram como forma de protesto à sociedade opressora dos movimentos jovens e anarquistas. Enfim, coisa que ficou registrada no passado e que não tira o brilhantismo do carro.

Por ter um grande espaço interno, o que pode virar um quarto ou até uma cozinha, a imortal e querida Kombi foi a solução perfeita para hippies, viajantes e nômades transitarem sem se preocupar com custos de hospedagem. Além disso, o lado de fora pode se tornar um grande painel, com infinitas possibilidades artísticas, expressando a identidade do proprietário.

Por essas e outras, esse carro continua sendo desejado para o trabalho, seja qual for, ou apenas para passeio com a família ou amigos, bastando pra isso, apenas, boa quantidade de integrantes no grupo.

Curiosidades da Kombi

Em meio a tantas curiosidades que cercam a Kombi, vale lembrar que o carro foi o primeiro Volkswagen brasileiro e não foi o Fusca, como dizem por aí. A produção foi iniciada na fábrica de São Bernardo do Campo, em São Paulo. Ela, aliás, tem uma história de pioneirismo: significou o início da fábrica que até hoje é a principal planta da montadora e ainda popularizou o ABC paulista, pois operários começaram a migrar para a Grande São Paulo em busca de empregos na fábrica, fazendo com que a região se desenvolvesse.

Com diferentes nomes pelo mundo, a Kombi acumula apelidos. Na Dinamarca ela é conhecida por Rugbrod. Os americanos a conhecem por Barndoor. Na Finlândia se chama Junakeula, Bulli na Alemanha e Papuga na Polônia.

No Brasil, os apelidos são vários. O mais conhecidos são Kombosa, Perua e “Pão de Forma” devido ao seu formato retangular. Existe ainda, o modelo corujinha que tem esse nome devido aos para-brisas, que são divididos e se assemelham aos olhos arregalados da ave.

Poucas pessoas se lembram, mas a Kombi a álcool tinha dois bocais de abastecimento. A entrada de abastecimento localizado do lado direito era um tanque de combustível comum, para álcool, e, do lado esquerdo, havia um bocal para gasolina, com o objetivo de auxiliar na partida a frio.

Em 2006, com o surgimento do sistema flex, a perua voltou a ter duas aberturas, porém diferentes das do modelo a álcool: o lado esquerdo era usado para a partida fria, somente com gasolina, e do lado direito ficava o bocal convencional, que podia receber álcool ou gasolina.

As máquinas e seus motores

Para finalizar as boas histórias que envolvem a “Kombosa”, os motores que equiparam a perua da Volkswagen tiveram várias versões desde seu surgimento. Ainda na Alemanha, em 1950, foi equipada com o motor 1.2 de quatro cilindros com refrigeração a ar e 25 cv. No Brasil, o mesmo propulsor tinha 30 cv. Com o lançamento da configuração picape, em 1967, veio o 1.5 de 52 cv.

Já em 1975, a Kombi recebeu motor 1.6L de 58 cv e, três anos mais tarde, a adoção da dupla carburação gerou 65 cv. A opção com motor 1.6 a diesel surgiu em 1981, refrigerado a água, e com 60 cv, oferecido apenas para as carrocerias picape e furgão.

No ano seguinte, em 1982, foi lançada a versão movida a etanol. O 1.6 tinha potência de 56 cv e coletor de admissão. Tempos depois, ao final de 2005, a Kombi ganhou motor 1.4 de quatro cilindros flexível. Na ocasião, a Volkswagen informou que o modelo havia se tornado até 34% mais potente e cerca de 30% mais econômico que o antecessor, ainda refrigerado a ar.

De 2010 até 2013, os motores que empurravam a Kombi eram Aspirados, alimentados por injeção multiponto, com 4 cilindros em linha, impulsionados por correia dentada num cabeçote simples e de 2 válvulas por cilindro. Esse motor trabalha com uma taxa de compressão de 11:1 numa potência de 1.4 cilindradas cúbicas capazes de gerar poderosos 80 cavalos de potência. Em solo brasileiro, tudo isso ganhou versão Flex.

Pilotando Sonhos

Antes de viajar por aí você deve se programar muito bem, olhando o mapa e traçando a rota até o local desejado, isso é muito importante pensando na segurança da viagem e a comodidade, pois quanto melhor o percurso, mais proveitoso será o seu passeio. O Pilotando Sonhos te ajuda a se preparar para a estrada.

Vamos Bater um Papo?